A INTOLERÂNCIA DE TODOS OS DIAS

Buñuel sou ateu Como fiel devoto de “São” Luís Buñuel, há muitos anos sou ateu.

Mas tive dois tios padres, e um deles, Moisés, além de meu padrinho, foi pessoa muito importante na minha vida. Trabalhava no Recife com D. Hélder e me hospedei várias vezes em sua casa quando ia até lá por conta de trabalho clandestino da organização a que pertencia, na época da ditadura.

Quando morreu, o enterro do tio Moisés foi uma autêntica manifestação popular, com centenas de pessoas desfilando diante de seu caixão, na paróquia da Destilaria, na Zona da Mata de Pernambuco, para onde havia sido exilado pelo arcebispo reaça que sucedeu D. Hélder. E tenho uma irmã freira. Sobra dizer que a família – como a grande maioria das famílias brasileiras, ainda hoje – é de tradição católica.

Desde jovem, entretanto, tive, e tenho amigos protestantes, de várias denominaçôes (felizmente, nenhum desses pentecostalistas), judeus (praticante ou não), budistas, espíritas e, ainda em Manaus, convivíamos com muçulmanos.

Em conversas, e discussões, com esses amigos, no decorrer da vida, a religião que praticam – com maior ou menor fé ou rigor – é um componente das histórias de vida de cada um. Como as convicções políticas, as predileções literárias, musicais e, é claro, as sexuais, de cada um. Tenho até amigos corintianos e palmeirenses… Diferenças, portanto, que são tratadas como tais e, longe de impedir ou dificultar o diálogo, sempre o enriquecem.

O que me irrita e me afasta de algumas pessoas – nenhum dos quais, felizmente, posso chamar de amigo – é precisamente a intolerância e a falta de respeito. E mais, piadas valem, ofensas é que não.

Tudo isso a propósito do último TAQUIPRATI, do meu amigo José Bessa, que vai fundo nas manifestações do capiroto da intolerância que, infelizmente, temos visto prosperar por aqui.

Passemos a voz ao Bessa.
Capturar

crianca_pedrada (1) Dizem que domingo passado o Diabo saiu do inferno e foi dar uma voltinha na Vila da Penha, no Rio. Escondeu o rabo preso, vestindo o terno do deputado Eduardo Cunha (PMDB, vixe, vixe). Ocultou o chifre, botando a peruca do pastor Silas Malafaia. A cueca usada era do deputado Marco Feliciano (PSC, vixe, vixe), pastor da Catedral do Avivamento. Assim, disfarçado e endomingado como quem vai à missa, o Capiroto presenciou uma maldade que nem ele tem coragem de praticar: o apedrejamento de uma menina de 11 anos, que saía alegre da festa de candomblé vestida de branco com seu turbante – o ojá – enrolado na cabeça.

“Macumbeira, vai queimar no inferno. Sai Satanás” – gritavam os marmanjos. Na mão esquerda traziam a Bíblia, na direita pedras que quebraram a cabeça de Kayllane Campos, uma criança. Saiu muito sangue, ela desmaiou, enquanto eles berravam: – “Aleluia! Jesus está voltando”, mas quem voltou mesmo foi o “Coisa Ruim”, por não acreditar naquilo que via: seres humanos que eram ainda mais escrotos do que ele. Horrorizado com tanta perversidade, o Capeta se pirulitou de regresso ao seu cafofo, onde está à espera dos apedrejadores. Repetiu-se aquela cena do filme Rashomon de Kurosawa.

Este não foi um fato isolado. O país respira intolerância por todos os poros. O fanatismo, inclusive no campo político, atinge nível tão insuportável que nem o Diabo aguenta e até Deus duvida. Diariamente, em algum lugar do país, pitbulls engravatados agridem religiões afro-brasileiras e profanam a Bíblia que carregam como se fossem tijolo. O registro oficial, que deixa de fora muitas ocorrências não notificadas, apresenta dados alarmantes nos últimos quatro anos. Os crimes foram 15 (2011), 109 (2012), 231 (2013) e 249 (2014), com o Rio em primeiro lugar e o Amazonas em terceiro, numa curva sempre crescente.

Pacto com o Capeta

Nesta estatística não consta o que aconteceu outro dia em Cachambi, bairro do Rio. castelli 2 Uma corja de energúmenos explodiu um morteiro dentro de um templo umbandista, arrombou portas, quebrou imagens, destruiu a casa das almas e vandalizou a casa de Exu. Recentemente mães e filhos de santo foram expulsos dos morros do Rio por militantes pentecostais. Há duas semanas, morreu em Camaçari (BA), Mãe Dedé de Iansã, que não suportou os ataques de membros da igreja evangélica instalada em frente ao terreiro Oyá Denã.

Na última quinta-feira, foi a vez de um templo espírita na Rua Humaitá (RJ) ser apedrejado por três indivíduos com a Bíblia na mão. Quebraram estrela, imagens de Buda e de Nossa Senhora Aparecida. Nem os mortos escapam: no mesmo dia, lá em Uberaba (MG), danificaram o túmulo do médium Chico Xavier. Parece que o cordeiro de Deus não tirou os pecados do mundo, mas tirou a humanidade e a inteligência dos agressores.

Não temos notícias de punição para tais crimes hediondos, embora representantes da Umbanda e do Candomblé tenham pedido ao Ministério Público abertura de inquérito civil para investigar casos de intolerância religiosa, mencionando os “Gladiadores do Altar”, grupo formado por jovens da Igreja Universal (Iurd), que uniformizados como militares, marcham e gritam palavras de ordem como um batalhão do exército.

Mesmo diante do fato de que os agressores são quase sempre pertencentes a igrejas de diferentes denominações evangélicas, o pastor Silas Malafaia, dirigente do Conselho de Ministros Evangélicos do Brasil (CIMEB), exime a instituição de qualquer responsabilidade: “Se um umbandista ataca uma igreja evangélica, não podemos culpar a Umbanda” – ele relativiza. Só que não existe registro de um único caso de ataques a um templo evangélico por umbandistas. Não existe. Nem de discurso contra outras religiões. Os umbandistas, ecumênicos, não acham que a sua é a única fé verdadeira e que as demais são do Cramunhão.

Os donos de Cristo

fanatismo Já o contrário aparece com frequência. A Igreja Universal postou no Youtube vídeos que debocham do Candomblé e da Umbanda. O Ministério Público Federal, invocando a liberdade de crença e de culto garantida pela Constituição de 1988, pediu no ano passado que fossem retirados. No entanto, o juiz Eugênio Rosa de Araújo, da 17ª Vara Federal (RJ), indeferiu, afirmando que “manifestações religiosas afro-brasileiras não podem ser classificadas como religião”, porque – segundo ele – “não possuem um livro sagrado como a Bíblia ou o Alcorão”.

De um lado, o juiz grafocêntrico cartorializou a Bíblia, entendendo que religião é como jogo do bicho: só vale o que está escrito. Para ele, valores, rituais e saberes que circulam no mundo da oralidade não podem aspirar o status de religião oficial. De outro lado, o pastor Malafaia, que segundo a revista Forbes é o terceiro pastor mais rico do Brasil com um patrimônio de 150 milhões de dólares, não assume que as instituições religiosas têm um papel na gestão e no controle da ideologia do seu rebanho, influenciam o comportamento dos fiéis e fornecem, inclusive, as consignas que embora mencionem a Bíblia, usam a metodologia do Capiroto (PSDB, vixe, vixe).

Resta saber as razões de tanto ódio contra quem reza por outra cartilha. Uma pista foi dada por Contardo Calligaris em sua coluna na Folha de SP desta semana: “Em geral, os que transformam a fé em comércio preferem deter o monopólio de seu profeta, de seus dogmas, de suas cerimônias (…) querem ser os únicos donos do Cristo para vendê-lo melhor”.

Talvez a intolerância possa mesmo ser explicada pela lógica do mercado. Certos comerciantes da fé e empresários espertalhões do faith-business buscam atrair adeptos, disputando entre si o dízimo e os recursos do estado com a isenção de impostos e dotações orçamentárias conquistadas pela bancada evangélica no Congresso Nacional. Embora não saiba, a menina apedrejada pagou pelo fato de o candomblé ter crescido 31.3% em dez anos, num período em que a população brasileira aumentou 15.7%. Daí o preconceito e a pedrada que horrorizou o próprio diabo.

O arroz e a flor

A antropóloga Renata Menezes, professora no Museu Nacional e pesquisadora do ISER, latuff_intolerancia_homofobia abre seu artigo Religiões e culturas: o desafio da diferença com o relato de um cara que colocava flores no túmulo da mãe, quando viu um chinês colocar um prato de arroz na lápide ao lado.

– Desculpa, mas o senhor acha mesmo que o seu defunto virá comer o arroz – o cara pergunta.

– Sim, ele costuma vir na hora em que a senhora sua mãe vem cheirar as flores – respondeu o chinês.

Caminhada Contra Intolerância Religiosa Movimenta Centro de Fortaleza. A caminhada se concentrou na Igreja do Carmo, seguindo pelas ruas do Centro até a Praça do Ferreira.

Caminhada Contra Intolerância Religiosa Movimenta Centro de Fortaleza. A caminhada se concentrou na Igreja do Carmo, seguindo pelas ruas do Centro até a Praça do Ferreira.

P.S. O relato da Renata menciona apenas um parente, mas não resisti e meti a mãe no meio. A autora discute a diversidade humana, a forma como os grupos sociais lidam com as diferenças religiosas e o choque cognitivo entre eles. O leitor interessado em aprofundar o debate sobre religião, cultura e sociedade no Brasil, assim como sobre as relações entre umbanda e pentecostalismo, encontra reflexões esclarecedoras nos artigos de Renata de Castro Menezes, entre os quais Aquela que nos junta, aquela que nos separa: reflexões sobre o campo religioso brasileiro atual a partir de Aparecida e no texto de Rubem César Fernandes “Aparecida: nossa rainha, senhora e mãe, saravá”.

Esta entrada foi publicada em Sem categoria e marcada com a tag . Adicione o link permanente aos seus favoritos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *